banner-meus-ynvestimentos

Índices e Indicadores Financeiros

Índices e Indicadores Financeiros

indices-indicadores-financeiros

A análise das demonstrações financeiras envolve comparar o desempenho de uma determinada empresa com outras do mesmo ramo, além de analisar o seu passado, verificando sua evolução ao longo do tempo. Os indicadores financeiros servem para extrair informações relevantes que podem não ser tão óbvias simplesmente analisando as demonstrações financeiras de uma empresa. Eles podem ser calculados a partir do balanço patrimonial, demonstração de resultado do exercício e do fluxo de caixa. Ao se analisar os indicadores financeiros, o ramo da empresa sempre deverá ser levado em conta, pois algumas empresas podem apresentar índices ruins, mas não necessariamente que sua saúde esteja prejudicada. Os principais indicadores financeiros são:

Indicadores de Liquidez

Os indicadores de liquidez visam descobrir se a empresa possui dinheiro suficiente para honrar suas obrigações. Suas informações são retiradas somente do balanço patrimonial. Os indicadores de liquidez são:

Índice de liquidez corrente

O índice de liquidez corrente é o melhor indicador de solvência de curto prazo, pois revela a proteção dos credores em curto prazo por ativos, onde há uma expectativa que estes possam ser convertidos em dinheiro rapidamente. A fórmula para se calcular o índice de liquidez corrente é a seguinte:

Índice de liquidez corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante

Como podemos notar através da fórmula, seu cálculo é feito a partir dos direitos de curto prazo da empresa, como caixa, estoques, contas a receber e as dívidas de curto prazo, como empréstimos e financiamentos. Se o resultado do índice de liquidez corrente for > 1, significa que a empresa possui meios de honrar com suas obrigações de curto prazo, demonstrando uma folga no disponível. Se o resultado for = 1, significa que os direitos e obrigações de curto prazo são iguais. Já se o resultado for < 1, a empresa poderá apresentar problemas, pois suas disponibilidades são insuficientes para honrar com suas obrigações de curto prazo.

Entretanto, apresentar um alto índice de liquidez corrente pode não ser tão bom assim, pois poderá significar que a empresa possui muito dinheiro atrelado a ativos não produtivos, como estoques que não estão sendo vendidos e se tornando obsoletos. O correto sempre é analisar os índices do setor, achando uma média para o índice de liquidez corrente. Se estiver acima da média, poderá ser uma boa notícia, mas se estiver muito abaixo da média, pode ser que a empresa esteja passando por dificuldades financeiras.

Índice de liquidez seca

A fim de resolver o problema citado acima, de que os estoques podem inflar o índice de liquidez corrente, foi criado o índice de liquidez seca, excluindo assim os estoques. Um ativo líquido é aquele que é negociado em um mercado ativo, e pode ser rapidamente convertido em dinheiro. Os estoques, geralmente, possuem baixa liquidez, sendo muitas vezes o ativo menos líquido do ativo circulante. Caso ocorra uma falência com a empresa, o estoque geralmente é perdido. Logo, o índice de liquidez seca visa saldar as obrigações da empresa de curto prazo sem depender da venda de estoques para isso. A fórmula do índice de liquidez seca é a seguinte:

Índice de liquidez seca = (Ativo circulante – estoques) / Passivo circulante

O resultado deste índice será sempre menor que o índice de liquidez corrente, sendo sua interpretação a mesma.

Índice de liquidez imediata

O índice de liquidez imediata é uma variação dos índices anteriores, porém, considera-se somente o quanto a empresa tem de dinheiro no curtíssimo prazo, como caixa, saldos bancários e aplicações financeiras com liquidez imediata, como CDBs sem carência e fundos de investimentos com resgate de cotas de D+0. A fórmula do índice de liquidez imediata é a seguinte:

Índice de liquidez imediata = Disponível / Passivo circulante

Como podemos notar através da fórmula, o índice de liquidez imediata exclui os estoques e contas a receber, tornando-se um índice de solvência de curtíssimo prazo da empresa. Sua interpretação é a mesma das anteriores, onde um índice acima de 1 é bom e abaixo de 1 é ruim.

Índice de liquidez geral

O índice de liquidez geral é um indicador de solvência tanto de curto prazo quanto de longo prazo. Ele indica que a cada $ 1 que a empresa tem de dívida, o quanto ela possui de direitos e haveres no ativo circulante e no realizável a longo prazo. A fórmula para o índice de liquidez geral é a seguinte:

Índice de liquidez geral = (Ativo Circulante + Realizável a longo prazo) / (Passivo circulante + Passivo não circulante)

Como todos os indicadores de liquidez, o índice de liquidez geral deverá ser analisado em uma determinada empresa comparando com índice médio do setor. Além disso, existem empresas que podem apresentar um péssimo índice de liquidez geral, mas que não necessariamente esteja em uma situação desconfortável. Por exemplo, uma empresa que possui um giro de estoques muito grande, pode fazer com que o índice apresente um valor péssimo, entretanto, ela pode estar em dia com seu fornecedor e até mesmo ter uma folga de caixa.


Índice de Gestão de Ativos

O índice de gestão de ativos, como o próprio nome sugere, visa medir a eficiência da empresa na gestão de ativos, e está relacionado a vários fatores, como por exemplo, o setor de atividade, a sazonalidade, o ciclo operacional, o volume de capital alocado, entre outros. Por exemplo, se uma empresa possuir investimentos excessivos em ativos, então seu capital operacional será desnecessariamente alto, o que reduziria seu fluxo de caixa livre. Por outro lado, uma empresa que não possui ativos suficientes poderá ter suas vendas reduzidas, prejudicando a rentabilidade, o fluxo de caixa livre e o preço de suas ações. Dentre os índices de gestão de ativos, cabe destacar:

Índice de giro de estoque

Este índice visa demonstrar o desempenho do estoque e sua qualidade, e pode ser aplicado a qualquer tipo de estoque, independente do seu tamanho ou complexidade. A fórmula para calcular o índice de giro do estoque é a seguinte:

Índice de giro de estoque = Receita / Estoques

O resultado da conta acima representa a quantidade de vezes que cada um dos itens do estoque foi renovado dentro de um determinado período de tempo. Se o resultado dessa contar for 5, por exemplo, significa que o estoque foi vendido e reabastecido 5 vezes por ano. O índice deverá ser comparado com a média do setor. Altos níveis de estoques somados ao capital de giro operacional líquido reduz o fluxo de caixa livre. Baixos índices de estoque pode significar que a empresa está retendo mercadorias, que talvez não valha o valor declarado. Outro ponto importante é que esse índice deverá ser analisado pela média dos estoques, pois existem empresas que tem sazonalidade, isto é, tem vendas mais altas em determinados períodos do ano, como por exemplo, o chocolate, que é bastante vendido na páscoa. Para isso, basta somar os valores mensais de estoques e dividir por 12.

Prazo de recebimento médio de vendas

O prazo médio de recebimento de vendas, também conhecido como período médio de cobrança, é um índice usado para avaliar contas a receber, representando o tempo médio que a empresa deve aguardar após realizar uma venda antes de receber o pagamento, que é o período médio de cobrança. Em outras palavras, o índice de prazo médio de recebimento indica quantos dias, em média, a empresa leva para receber suas vezes a prazo. A fórmula para se achar o índice é:

Prazo de recebimento de vendas = Recebíveis / Receitas anuais/365

Se o resultado da conta for 40, por exemplo, vai indicar que a empresa demora, em média, 40 dias para receber suas vendas a prazo. O fato de demorar mais ou menos para receber suas vendas a prazo pode ter vários fatores, como por exemplo, o ramo do negócio, a eficiência do período de cobrança, a situação financeira dos clientes, a economia como um todo, etc. Quanto menor for esse prazo, melhor. O resultado terá que ser comparado com outras empresas do setor. Se o resultado for menor, isto é, se o prazo médio de recebimento das vendas for mais baixo que seus concorrentes, a empresa pode ter uma vantagem competitiva perante outras empresas do mesmo setor.

Índice de giro de ativos fixos (ou imobilizados)

O índice de giro de ativos imobilizados mede a eficiência da empresa em relação ao uso de seu imobilizado. Ela indica como a empresa está usando seus ativos fixos, isto é, suas máquinas e equipamentos. Sua fórmula é a seguinte:

Índice de giro de ativos fixos = Receitas / Ativos imobilizado

O índice de giro do ativo imobilizado indica quanto à empresa vendeu para cada $ 1,00 de investimento total. Quanto maior seu valor melhor, pois indica que a empresa é eficiente em usar seus ativos permanentes para gerar receita.

Índice de giro do total de ativos

O índice de giro do total de ativos mede a eficiência com a qual a empresa utiliza todos seus ativos para gerar receitas. Ele indica o faturamento da empresa em comparação com o crescimento do ativo. A fórmula para calcular o índice de giro total é a seguinte:

Índice de giro do total de ativos = Receita / Total do ativo

Quanto maior for esse índice, melhor, pois indicará que a empresa utiliza bem o total de seus ativos, trazendo maior retorno sobre o capital investido. Em outras palavras, se a empresa apresentar um índice alto, ou maior do que a média do setor significará que ela gerou um volume suficiente de negócios, dado seu investimento total em ativos. Este é um índice muito importante, uma vez que indica se as operações, e consequentemente as receitas, foram ou não financeiramente eficientes. Caso a companhia apresente um índice baixo, ela terá que aumentar suas vendas e vender alguns ativos.

Índice de giro do contas a receber

O índice de giro do contas a receber indica quantas vezes que o contas a receber transitou pelo caixa durante o ano, isto é, quantas vezes a empresa gira seu contas a receber em função das vendas. A fórmula para calcular o índice do giro do contas a receber é a seguinte:

Índice de giro do contas a receber = Vendas Líquidas / Contas a receber médio

Quanto maior for o giro, melhor para a empresa. Entretanto, giros muito altos podem indicar uma política de crédito deficiente.

Índice de prazo médio de estoque

O índice de prazo médio de estoques indica quantos dias, em média, os produtos ficaram armazenados no estoque antes de serem vendidos. Como o estoque representa sempre aplicações de recursos, girar o estoque significa vender as mercadorias, gerando receita. A fórmula para calcular o índice de prazo médio de estoque é a seguinte:

Índice de prazo médio de estoque = Estoque médio x 360 / Custo das vendas

O resultado indicará quantos dias, em média, a empresa demorou a renovar seu estoque. O prazo médio de estoque pode variar para cada empresa. Por exemplo, um supermercado possui um giro do estoque muito alto. Já uma concessionária que vende carros de luxo possui um baixo giro do estoque. Para saber se a empresa mantém níveis saudáveis de giro do estoque, o índice deverá ser comparado com outras empresas do mesmo setor.

Índice de prazo médio de pagamento

O índice de prazo médio de pagamento compreende a razão entre o contas a pagar e as vendas médias diárias. Ele indica quantos dias, em média, os recursos de curto prazo ficaram alocados no contas a pagar, isto é, quantos dias a empresa usa recursos dos fornecedores para se financiar. A fórmula para calcular o índice de prazo médio de pagamento é a seguinte:

Índice de prazo médio de pagamento = Fornecedores x 360 / Compras

Para uma empresa, quanto maior o prazo de pagamento de fornecedores, melhor. Por isso, quanto maior o índice, melhor, pois ele indica a quantidade de dias médio que a empresa demora a pagar seus fornecedores.


Índice de Gestão de Dívida

Quanto mais uma empresa investe, maior é seu potencial de retorno. Para isso, ela precisa de caixa. O dinheiro poderá vir dos sócios ou de terceiros. Caso venha de terceiros, o dinheiro será considerado uma dívida. Em geral, o uso elevado de capital de terceiros indica uma situação financeira nada saudável, principalmente em alguns setores da economia, como aviação, por exemplo. Ao captarem uma dívida, os acionistas podem manter o controle da empresa, sem aumentar seus investimentos. Os índices de gestão de dívida visam mensurar a qualidade e a quantidade da dívida de uma empresa, a fim de identificar se os níveis de endividamento estão saudáveis ou se a empresa está enfrentando dificuldades financeiras, além de avaliar se a companhia está gerando caixa suficiente para pagar suas dívidas e garantir o crescimento sustentável de suas atividades. Os índices de gestão da dívida são:

Índice de endividamento

O índice de endividamento, também chamado de índice de endividamento total, é a relação entre o total de ativos e o total de passivos. Descrito em porcentagem, ele mede o percentual de fundos gerados pelos passivos circulantes e dívidas de longo prazo. A fórmula para calcular o índice de endividamento geral é a seguinte:

Índice de endividamento = Total de Passivos (Passivo Circulante + Exigível a LP) / Total de Ativos

O resultado da conta acima indicará quantos % de capital de terceiros a empresa possui. Quanto maior seu valor, maior a participação de capital de terceiros no financiamento das operações corporativas. Logo, os credores preferem índices de endividamento baixos, pois quanto menor for, maior será a proteção contra prejuízos em caso de falência da companhia.

Índice de dívida/patrimônio

O índice de dívida/patrimônio informa quanto de patrimônio líquido a empresa tem para cada $ 1 de dívida. Esse índice tem a mesma finalidade que o índice de endividamento, porém, mostrado em moeda e não em percentual. A fórmula para se calcular o índice da dívida/patrimônio é a seguinte:

Índice de dívida/patrimônio = total do passivo / patrimônio líquido

Quanto maior o índice, pior. Quanto mais alto ele for, maior será a participação de capital de terceiros na empresa, e, consequentemente, maior será a dívida da empresa. De novo, sempre é bom comparar com a média do setor, a fim de verificar se a empresa está muito alavancada.

Índice de cobertura de juros

O índice de cobertura de juros mede o quanto a receita operacional pode diminuir antes que a empresa se torne incapaz de cobrir seus custos anuais. Esse índice mostra o tamanho da dívida da empresa, e se ela gera lucro suficiente para cobrir suas despesas com pagamento de juros. A fórmula para calcular o índice de cobertura de juros é a seguinte:

Índice de cobertura de juros = EBIT / Despesas com juros

O resultado da conta indicará quantas vezes os juros estão cobertos, isto é, quantas vezes o lucro operacional da empresa será capaz de pagar as despesas de juros. Portanto, quanto maior o índice, melhor. Se uma empresa apresentar um índice de cobertura de juros de 3,6x, por exemplo, e a média do setor for de 6x, essa empresa estará cobrindo suas despesas com juros com uma baixa margem de segurança, fazendo com que provavelmente a empresa tenha dificuldades em tomar recursos emprestados de terceiros.


Índices de Lucratividade e Rentabilidade

Os índices de lucratividade e rentabilidade visam examinar a eficácia das operações da empresa, mostrando os efeitos combinados de liquidez, gestão de ativos e gestão da dívida sobre os resultados operacionais. A rentabilidade de uma empresa reflete sua capacidade de auto-financiamento, as políticas de distribuição de dividendos e sua capacidade de gerar receitas. Os índices de rentabilidade indicam o percentual de retorno obtido pela empresa sobre o capital investido dentro da companhia, isto é, a remuneração do patrimônio líquido. É um dos indicadores mais importantes para o acionista, pois além de mostrar o retorno sobre o investimento, permite comparar essa rentabilidade com outras formas de rendimento no mercado, além de comparar com outras empresas do mesmo setor. Já os índices de lucratividade indicam o percentual de retorno pela empresa sobre as vendas. Entretanto, uma empresa ser lucrativa não significa que ela seja rentável. Muitas vezes, as despesas administrativas ou com juros podem acabar com a rentabilidade de uma companhia. Os principais índices de lucratividade e rentabilidade são:

Margem de lucro líquido

A margem de lucro líquido, também chamado de margem de lucro sobre as vendas ou simplesmente margem líquida mede o percentual de lucro líquido que a empresa conseguiu obter em relação ao seu faturamento. Ela é demonstrada em percentual. A fórmula para calcular a margem de lucro líquido é a seguinte:

Margem de Lucro Líquido = Lucro Líquido / Receita de Vendas

A margem líquida indica o percentual de ganho da companhia sobre suas vendas, após a dedução de todas as despesas, inclusive despesas com juros e imposto de renda. Por exemplo, a margem de lucro líquido de uma empresa pode ser de 9%. Mas para sabermos se essa margem está boa ou não, temos que comparar com outras empresas do mesmo ramo. Se esse valor for maior, temos uma empresa com vantagem competitiva perante seus concorrentes. Entretanto, se estiver abaixo, a empresa pode estar operando com ineficiência ou ter altas despesas com juros.

Margem de lucro operacional

A margem de lucro operacional identifica o desempenho das operações de uma empresa antes do impacto das despesas com juros e imposto de renda, isto é, ela mede a eficiência operacional da companhia, identificando o quanto das receitas líquidas vieram das vendas e serviços de suas atividades operacionais. A fórmula para calcular a margem de lucro operacional é a seguinte:

Margem de lucro operacional = Lucro Operacional (EBIT) / Receita de Vendas

Esse índice demonstra o ganho da empresa com suas operações, desconsiderando as despesas financeiras e impostos, sendo possível identificar se o problema da margem líquida está realmente ou não nas operações da companhia. Para saber se uma empresa possui uma boa margem de lucro operacional, basta comparar o índice com outras empresas do mesmo setor.

Margem de lucro bruto

A margem de lucro bruto identifica a rentabilidade das vendas, após a dedução das despesas sobre vendas, como impostos sobre vendas, devoluções, abatimentos, custo dos produtos vendidos, entre outros. A fórmula para calcular a margem de lucro bruto é a seguinte:

Margem de lucro bruto = Lucro Bruto / Receita Operacional Líquida

A margem de lucro bruto indica o quanto a empresa está ganhando como resultado direto de suas atividades operacionais. Quanto maior for a margem bruta, maior será a rentabilidade das vendas. Por exemplo, se uma companhia apresentar uma margem de lucro bruto de 62%, significa que a cada $ 1 de venda de suas mercadorias ou prestação de serviços, $ 0,62 é, de fato, lucro. Para saber se a margem bruta de uma determina empresa é alta, basta comparar com outras empresas do setor.

Índice de receita operacional/total de ativos

O índice de receita operacional mostra a capacidade de geração de receita operacional dos ativos de uma companhia antes dos impostos e alavancagem. A fórmula para calcular o índice de receita operacional é a seguinte:

Índice de receita operacional/total de ativos = Lucro Operacional (EBIT) / Total de Ativos

Retorno sobre o ativo total (ROA)

O retorno sobre o ativo total (em inglês, Return on Asset – ROA) também conhecido como retorno sobre o investimento, mede o retorno sobre o ativo total depois de juros e impostos. Este índice é considerado um dos mais importantes, pois indica a lucratividade da empresa em relação aos investimentos totais, representados pelo ativo total médio. A fórmula para calcular o ROA é a seguinte:

Retorno sobre o ativo total = Lucro Líquido / Ativo Total

Quanto maior for o rendimento da empresa sobre o total dos ativos, melhor, e quanto mais capitalizada a empresa for, menor será o ROA. Se uma empresa apresentar um baixo índice de retorno sobre o ativo total, sua capacidade de geração de receita operacional será insuficiente, ou ela está pagando altas despesas com juros. Para uma melhor interpretação do ROA, será necessário comparar com períodos passados, a fim de ver a evolução da empresa ao longo do tempo. Além disso, comparar o ROA com outras empresas do setor é fundamental a fim de descobrir se essa empresa apresenta uma vantagem competitiva perante seus concorrentes.

Retorno sobre o patrimônio líquido (ROE)

O retorno sobre o patrimônio líquido (em inglês, Returno n Equity – ROE), indica quanto de prêmio os acionistas e proprietários estão obtendo em relação aos seus investimentos na empresa, isto é, o patrimônio líquido. A fórmula para calcular o retorno sobre o patrimônio líquido é a seguinte:

Retorno sobre o patrimônio líquido = Lucro líquido / Patrimônio Líquido

O ROE também é considerado um índice muito importante, pois ele mede a capacidade de uma empresa de agregar valor a ela mesma utilizando recursos próprios, fazendo com que ela cresça usando somente aquilo que ela já tem. Assim como o ROA, é importante verificar a evolução do índice ao longo do tempo, além de comparar com o índice de outras empresas.

Grau de alavancagem financeira

O grau de alavancagem financeira (GAF) é um importante indicador do grau de risco do qual a empresa está submetida, isto é, se há presença de capital de terceiros de longo prazo na estrutura de capital, identificando se a empresa está alavancada ou não. A fórmula para calcular o grau de alavancagem financeira é a seguinte:

Grau de alavancagem financeira = ROE / ROA

Se o resultado for igual a 1, a alavancagem será zero, isto é, não há capital de terceiros na companhia, indicando um risco financeiro baixo. Se o resultado for maior do que 1, a alavancagem financeira será considerada boa, pois o retorno do ativo total será maior do que a remuneração paga ao capital de terceiros. Se o resultado for menor do que 1, a situação da empresa poderá ser ruim, indicando riscos financeiros e muita participação de capital de terceiros na companhia.


Índices de Valor de Mercado

Os índices de valor de mercado relacionam o preço da ação de uma empresa com seus lucros, fluxos de caixa e valor patrimonial. Eles são uma maneira de medir o valor das ações de uma empresa em comparação com a ação de outras empresas do mesmo ramo. Além disso, é possível achar o valor justo por ação. Esses índices ajudam os investidores a avaliarem as empresas em termo de risco e retorno, e muitas vezes utilizam essas informações para comprar e vender as ações da empresa. Os principais índices de valor de mercado são:

Índice de preço/lucro

O índice de preço por lucro (em inglês, prince/earnings – P/E) mostra quanto os investidores estão dispostos a pagar por $ de lucros reportados. Além disso, ele é usado para medir quão barato ou caro está uma ação. É um dos indicadores mais utilizados pelos investidores. A fórmula para calcular o índice de preço/lucro é a seguinte:

Índice de preço/lucro = Preço da ação / Lucro por ação

Quanto mais alto for o índice, mais fortes são as expectativas de crescimento da empresa. Logo, se duas empresas do mesmo setor apresentarem índices muito diferentes, será preferível investir na ação que apresentar o maior preço/lucro. Além disso, o índice deverá ser comparado com o passado e com outras empresas do mesmo setor.

Índice de preço/fluxo de caixa

Os preços das ações dependem da capacidade da empresa de gerar lucro e fluxo de caixa. Logo, o índice de preço/fluxo de caixa representa o valor que o investidor está disposto a pagar por um valor gerado a partir das operações de determinada empresa. A fórmula para calcular o índice de preço/fluxo de caixa é a seguinte:

Índice de preço/Fluxo de caixa = Preço por ação / Fluxo de caixa por ação

A taxa de preço/fluxo de caixa pode informar aos investidores aproximadamente quanto eles receberão por um valor de fluxo de caixa. Este índice é importante para identificar se comprar ações de uma determinada empresa será rentável no futuro, fazendo com que o preço da ação cresça e aumente e agregue valor ao acionista.

Valor patrimonial por ação

O valor patrimonial por ação é um índice simples que indica o valor da empresa do ponto de vista dos acionistas, isto é, o quanto os acionistas estão dispostos a pagar pelo patrimônio líquido da empresa. A fórmula para calcular o valor patrimonial por ação é a seguinte:

Valor patrimonial por ação = Patrimônio Líquido / Ações em circulação

Achado o valor da conta acima, basta comparar com o preço que a ação está sendo negociada no mercado. Se os preços negociados no mercado estiverem menor que o valor patrimonial da empresa, poderá ser uma boa indicação para comprar as ações. Caso contrário, isto é, se o preço da ação negociado no mercado estive acima do valor patrimonial, poderá indicar que a empresa está sendo bem vista futuramente, e que os lucros futuros são promissores, ou também poderá indicar uma precificação errada do mercado.

Índice de valor de mercado/valor contábil

O índice de valor de mercado/valor contábil é a razão entre o valor de mercado de uma empresa e seu valor patrimonial, e expressa a valorização da empresa em relação aos seus dados contábeis. Quando esta relação é maior do que a unidade, significa que o mercado reconhece que determinada empresa vale mais do que seu valor contábil, ou seja, o mercado está valorizando algo que não está sendo registrado na contabilidade ou que está sendo de forma incompleta. Quando esta razão é menor que a unidade, significa que o mercado não está reconhecendo valores que a contabilidade está registrando em seus livros. A fórmula para calcular o índice de valor de mercado/valor contábil é a seguinte:

Índice de valor de mercado/valor contábil = Preço de mercado por ação / Valor patrimonial por ação

Somente como definição, o valor de mercado é o valor que os investidores estão dispostos a pagar em negociação na bolsa de valores, e o valor contábil é o valor da empresa com base no patrimônio líquido obtido pela diferença entre o ativo e o passivo.

Você também poderá gostar...