banner-meus-ynvestimentos

Taxa Selic

taxa-selic

1. Taxa Selic Over

Selic significa Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. A taxa Selic (também conhecida como over Selic) é a taxa média ponderada e ajustada das operações de financiamento por um dia no mercado interbancário.

Os bancos devem reequilibrar suas reservas e seu caixa todos os dias, a fim de atingir uma meta de reserva bancária estipulada pelo Banco Central. Se o saldo de um banco estiver abaixo da meta, ele deverá tomar dinheiro emprestado com outro banco que estiver com sobras de reservas, até atingir o saldo junto ao Banco Central. É o caso dos depósitos compulsórios, que nada mais são do que depósitos que os bancos precisam fazer junto ao Banco Central, pois é dessa maneira que o BC controla a quantidade de moeda em circulação, sendo este um importante instrumento da economia. Em outras palavras, no final do dia, o banco que tiver dinheiro sobrando empresta para quem não tem.

Essas trocas de reservas entre os bancos podem ser feitas com títulos Públicos ou Privados. Se as trocas forem feitas com títulos Privados, deverá ser efetuado e registrado na CETIP (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados), sendo então remunerado por uma taxa do CDI. Se as trocas forem feitas com títulos Públicos, as mesmas são negociadas e registradas na Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), sendo remunerado por uma taxa Selic.

Essas operações são de curtíssimo prazo, geralmente de 1 dia e a taxa é expressa na forma anual para 252 dias úteis, servindo como referência para todas as demais taxas de juros da economia, pois ela considerada uma taxa livre de risco, uma vez que ela representa um risco do governo quebrar. Todas as operações sãoregistradas nos computadores do DEMAB, onde é feito, ao final do dia, o cálculo da taxa média ponderada pelo volume dos negócios realizados naquele dia. Esta será a taxa média Selic daquele dia, que normalmente é publicada por volta das 18:30 do próprio dia.

Embora a taxa Selic e o CDI sejam bem próximos uma da outra, elas possuem uma pequena diferença. Um banco que pega dinheiro emprestado com outro banco por meio da CETIP, isto é, com títulos privados, pagará uma taxa maior do que se estivesse pegando emprestado por meio da Selic, isto é, com títulos Públicos. Isso acontece porque o risco de um título privado é maior do que um título público, ou seja, o risco do título privado representa o banco que está emprestando dinheiro e o risco do título público é o próprio governo.

Como as duas taxas andam juntas, porém não são idênticas, muitos gestores, para aumentar a rentabilidade dos fundos de investimentos, preferem aplicar o dinheiro na taxa Selic (Títulos públicos Federais) ao invés de investir no CDI (Títulos privados).

A Selic-diária não é uma taxa fixa e varia praticamente todos os dias. Ela tende a se aproximar da taxa  Selic-meta. Se a taxa Selic diária começar a descolar muito da taxa Selic-meta estabelecida pelo Copom, o Banco Central atua no mercado a fim de aproximá-la da taxa selic-meta estabelecida.

Para consultar o histórico da taxa Selic, basta entrar no site do Banco Central a seguir:

http://www.bcb.gov.br/?SELICTAXA


2. Taxa Selic – Meta

A Taxa Selic-Meta é uma taxa de juros definida pelo Banco Central nas reuniões do COPOM (Comitê de Política Monetária) sendo uma importante ferramenta de controle do nível de aquecimento da economia e do controle da inflação. Em media, a cada 40 dias ocorre o COPOM, sendo definida a Meta Selic vigente pelo menos até a reunião seguinte.

A lógica da Taxa Selic (Taxa Básica de Juros na Economia) é simples. Quando o Banco Central resolve subir a taxa de juros, ele induz as pessoas e empresas a parar de gastar dinheiro e fazer aplicações e investimentos, pois como as taxas estão maiores, os títulos ficam mais atrativos, rendendo mais dinheiro. Isso acarreta em um aumento dos investimentos, tirando assim a moeda em circulação e reduzindo a inflação no médio e longo prazo. O contrário também é válido. Quando o Banco Central diminui a taxa de juros, faz com que os títulos sejam menos atrativos, fazendo com que as pessoas e empresas invistam menos e gastem mais, aumentando assim o crescimento do país, o consume e o PIB, porém, aumentando a inflação no médio e longo prazo.

Após a definição da Taxa Selic Meta, o Banco Central, através do mercado aberto, inicia o processo de efetivamente comprar e vender títulos com o objetivo de trazer a Taxa Selic over para próximo da taxa Selic-meta. Vamos supor que na reunião do COPOM, o Banco Central decide aumentar a taxa Selic-meta. Logo, a taxa Selic over deverá ser trazida para próximo da taxa Selic-meta através de compra e venda de títulos públicos feitas pelo Banco Central. No caso, o Banco Central irá vender mais títulos públicos, havendo então maior oferta no mercado, fazendo com que os preços dos títulos diminuam. Ao vender os títulos, uma parte do dinheiro que os bancos tinham que manter em depósito compulsório junto ao Banco central servirá como pagamento pela compra dos mesmos, gerando assim um débito no saldo junto ao Banco Central. Então, na hora de reequilibrarem suas contas, os bancos vão comprar ou vender esses títulos com uma taxa maior, graças às vendas feitas pelo Banco Central, trazendo assim a taxa Selic-over próximo da taxa Selic-meta.

O contrário também é valido. Caso houver uma queda na taxa Selic-Meta, o Banco Central vai comprar títulos públicos dos bancos no Mercado aberto, aumentando assim os preços dos títulos, reduzindo a oferta e a necessidade imediata de aumentar os depósitos compulsories, reduzindo a taxa de juros para próximo da Selic-meta.

Dessa forma, teoricamente, quando a taxa Selic sobe, os bancos recompõem suas reservas a uma taxa mais alta. Logo, as taxas que eles vão cobrar nos empréstimos serão maiores. Se a taxa selic cair, o custo de recompor as reservas será menos, refletindo em taxas mais baixas de empréstimos.

Um dos aspectos mais importante na hora de investir dinheiro é saber para onde a economia vai. Se o cenário prevê uma queda na taxa de juros, o certo será fazer investimentos pré-fixados, pois dessa forma, sua remuneração sera garantida caso a taxa realmente cair. Se o cenário prevê um aumento da taxa, o certo é não fazer investimentos pré-fixados, e sim pós fixados, pois se a taxa subir, o rendimento do título será maior. Por isso, é de extrema importância ficar atento ao rumo da taxa Selic e quais as diretrizes do Banco Central para o rumo da economia.

Você também poderá gostar...