banner-meus-ynvestimentos

Índice Bovespa e Mini índice

Índice Bovespa e Mini índice

Índice Bovespa e Mini índice

1. O que é?

O Índice Bovespa representa o desempenho médio das principais ações na Bolsa de Valores de São Paulo, sendo formado pelas ações com maior volume de negociação nos últimos meses. Ele mede o comportamento geral do mercado de ações brasileiro, servindo como termômetro para as expectativas futuras da economia e da Bolsa. Esse Índice muda diariamente, conforme o sobe e desce da Bolsa.

O Índice Bovespa é apenas um índice teórico. Entretanto, é possível negociá-lo no mercado futuro, transformando-o em um ativo real, padronizado pela própria Bolsa. Negociar o futuro do Ibovespa permite ao investidor comprar ou vender uma carteira diversificada de ações, oferecendo oportunidades únicas, como a diversificação do risco e possuir uma carteira com uma vasta quantidade de ações. Isso significa que o investidor não terá que comprar dezenas de ações individualmente, muitas vezes em lotes picados, encontrando liquidez reduzida em algumas ações, e pagando corretagem em cada transação.

Se um investidor comprar contratos futuros do Índice Bovespa, sua expectativa, até o vencimento, é que a bolsa se valorize, isto é, que as ações que compõem o Índice Bovespa se valorize, elevando a pontuação do Índice Bovespa e ganhando na operação. Se o investidor vender contratos futuros do Índice Bovespa, ele estará esperando uma queda dos preços futuros, ganhando assim com a operação. Logo, o Ibovespa Futuro são acordos de compra e venda da estimativa de pontuação do Índice Bovespa para uma data futura, a um preço pré-determinado por ambas as partes (comprador e vendedor).

A grande vantagem de negociar o Índice Bovespa é a liquidez (esse índice é altamente negociado), baixos custos (a corretagem é barata), além de não ter que desembolsar muito dinheiro para abrir posições no mercado. Sua utilização se dá em especular com a subida ou descida da bolsa, como também em fazer hedge.

Especulação: Caso um investidor tiver uma expectativa de alta nas bolsas, e não souber quais ações comprar, ele poderá adquirir contratos futuros de Índice Bovespa, ao invés de comprar ações. Se o contrato futuro de Ibovespa subir, ele ganhará a diferença do preço que subiu menos o preço que ele pagou. O investidor também pode apostar na queda, vendendo o Índice Futuro, caso achar que as ações terão um desempenho ruim, ou que a economia dá sinais de contração.

Hedge: Os investidores ou gestores de carteiras também poderão usar o índice futuro do Ibovespa como hedge. Por exemplo, um gestor de um fundo de investimento não possui os recursos necessários para comprar algumas ações, e tem uma expectativa de alta para as mesmas. Uma alternativa contra a alta da Bovespa seria a compra desses índices, dando a oportunidade do fundo não perder o movimento de alta dos mercados. Realizar um hedge para a queda do índice também é muito comum. Se um investidor ou fundo de Investimento tiver uma carteira bem diversificada e não quiser vender suas ações, ele poderá vender contratos futuros e se proteger contra a queda das ações. Ou, caso o investidor ou gestor possuir poucas ações, mas quiser minimizar o risco sistêmico, também poderá vender contratos futuros do Índice Bovespa, protegendo-se também contra a queda do mercado.

A cotação do Ibovespa futuro é feita em pontos, onde cada ponto equivale a R$ 1,00. Logo, seu valor referencial será a multiplicação da cotação do Índice Bovespa por R$ 1,00. A liquidação será exclusivamente financeira, através dos ajustes diários até o vencimento ou encerramento da posição, sendo a diferença entre o valor do Ibovespa no vencimento ou encerramento da posição menos o valor acordado entre comprador e vendedor. A cotação do Ibovespa futuro vai variar de acordo com a oscilação do Ibovespa e a proximidade do vencimento do contrato futuro.


2. Características

Nomenclatura

A nomenclatura da negociação do futuro de Índice Bovespa será da seguinte forma:

1. Código de negociação do futuro de Índice Bovespa, isto é, “IND”.

2. Letra correspondente ao mês de vencimento, conforme abaixo:

Mês Letra
Fevereiro G
Abril J
Junho M
Agosto Q
Outubro V
Dezembro Z

*Padrão Internacional

O vencimentos serão sempre nos meses pares, isto é, Fevereiro, Abril, Junho, Agosto, Outubro e Dezembro.

3. Ano de vencimento.

Exemplo: Para negociar um contrato de futuro de Índice Bovespa com vencimento em Fevereiro de 2014, teremos o seguinte código:

IND G 14

Contrato

O contrato futuro de Índice Bovespa segue as características a seguir:

Código de Negociação IND
Cotação R$ 1,00 por cada ponto
Variação Mínima 5 pontos (R$ 5,00)
Variação Máxima 10% sobre o preço de ajuste do dia anterior do vencimento negociado
Lote Padrão 5 Contratos
Limite de Posição 10.000 contratos ou 20% das posições em aberto por vencimento
Horário de Negociação Das 09:00 às 17:55

Day Trade

É possível realizar day trade (compra e venda no mesmo dia da mesma quantidade de contrato para o mesmo vencimento) de contratos futuros de Índice Bovespa, dando maior liquidez a esse tipo de contrato, além de ser utilizado como um instrumento de especulação.

Ajuste Diário

O ajuste diário nada mais é do que um mecanismo utilizado pela BMF&Bovespa para equalizar as contas dos investidores. Como os contratos futuros variam de preço todo dia, gerando assim um débito ou crédito, os investidores são atualizados diariamente sobre suas posições, ganhando ou perdendo conforme os preços oscilam, isto é, os investidores recebem seus lucros e pagam seus prejuízos diariamente. Esse mecanismo é utilizado como forma de proteção contra possíveis inadimplências por parte dos investidores.

No contrato futuro de Índice Bovespa, as posições em aberto serão ajustadas com base no preço de ajuste do dia, ao final de cada pregão. A movimentação financeira será no dia útil subseqüente, isto é, em D+1, conforme regras da BM&F.

Margem de Garantia

A margem de garantia é um valor depositado em dinheiro ou títulos que servirá para cobrir uma possível inadimplência do investidor em alguma chamada de ajuste diário. Normalmente para se operar um futuro na bolsa, o investidor é obrigado a depositar margem de garantia para mitigar o risco de credito. Essa margem é estipulada pela Bolsa, de acordo com critérios de apuração de margem para os contratos futuros.

Os ativos aceitos como margem de garantia podem ser dinheiro, ouro, títulos públicos federais, títulos privados, cartas de fianças, ações e cotas de fundos fechados de investimento em ações.

Para se operar futuros de Índice Bovespa, o investidor geralmente deverá depositar cerca de 15% do valor total dos contratos na conta da corretora.

Custos Operacionais

Os custos operacionais ao negociar o Ibovespa são:

Corretagem – Podendo variar para cada corretora. Entretanto, a grande maioria se utiliza da Taxa Operacional Básica, estipulada pela própria Bovespa. Nesse caso, os custos serão de 0,25% para operações normais e 0,15% para Day-trade.

Taxas da Bolsa – São cobradas taxas de emolumentos, taxas de registro, permanência e liquidação, calculados pela própria BM&F, conforme a seguir:

Emolumentos: Os emolumentos são os valores cobrados pela BMF referente aos serviços de negociação. Eles incidem na negociação do contrato (abertura ou encerramento de posição antes do vencimento), exercício de opções, registro e liquidação antecipada e procedimento de cessão de direitos. Nos Contratos Futuros de Índice Bovespa, os emolumentos são cobrados conforme tabela a seguir:

Quantidade de contratos Valor da faixa
De Até R$
1 10 0,91
11 50 0,81
51 100 0,78
101 190 0,73
191 2000 0,68
Acima de 2000 0,64

Taxa de Liquidação: Essa taxa refere-se à liquidação dos derivativos no encerramento de posições no vencimento, além de pagar as despesas da clearing. Geralmente, a taxa de liquidação é um valor fixo, cobrado por contrato, independente do volume negociado. No Contrato Futuro de Índice Bovespa, é cobrado R$ 1,52 por contrato.

Taxa de Permanência: São os custos de serviço de acompanhamento de posições e emissão de relatórios e arquivos realizados pela clearing, além da cobertura de custos operacionais para a manutenção de posições inativas em produtos derivativos. Ela é aplicada sobre as posições em aberto em contratos negociados em pregão (exceto opções e minicontratos) e contratos registrados em balcão. Essa taxa é calculada diariamente, cobrada no último dia útil de cada mês, no dia seguinte ao encerramento das posições ou quando ocorrer a transferência total de posições para outro investidor.

A base de cálculo desta taxa é a quantidade de posições em aberto na abertura da data de cálculo, sendo possível a redução dessa taxa conforme volume negociado no dia. O fator de redução e o valor da permanência diária a ser aplicado sobre os negócios realizados no dia e sobre a posição em aberto é definido por contrato.

Nos contratos futuros de Índice Bovespa,essa taxa equivale a R$ 0,015 por contrato e por dia.

Taxa de Registro: Valor cobrado para registrar a operação na clearing, incidente somente nas negociações que impliquem a abertura de posições ou o encerramento antes do vencimento, sendo cobrada no dia útil subsequente à data dessas duas ocasiões.

A tabela de faixas da taxa de registro é divulgado pela bolsa para cada contrato, sendo estas faixas obtidas pelas médias das negociações no contrato nos últimos 21 pregões que antecedem a data de cálculo. Esse cálculo é feito no último dia de pregão da semana e o resultado da aplicação desse volume na tabela de faixas é um valor para a taxa de registro que será válido para todos os demais dias da semana seguinte.

Atualmente, a taxa de registro dos contratos futuros de Índice Bovespa está conforme a tabela abaixo:

Quantidade de contratos Valor da faixa
De Até R$
1 10 1,00
11 50 0,90
51 100 0,85
101 190 0,80
191 2000 0,75
Acima de 2000 0,69

Além disso, há a incidência do imposto sobre serviço – ISS sobre a operação.

Vencimento

O vencimento do contrato futuro de Ibovespa ocorre em todos os meses pares do ano, isto é, em Fevereiro, Abril, Junho, Agosto, Outubro e Dezembro, sempre na quarta feira mais próxima do dia 15 do mês. Caso for feriado, o vencimento será no próximo dia útil subsequente. Esses vencimentos possibilitam o investidor a adquirir contratos em diferentes prazos, podendo montar diversas estratégias, como vender um contrato no curto prazo e comprar no longo prazo.

Liquidação

Na data de vencimento, as posições em aberto, após o último ajuste, serão liquidadas financeiramente pela Bolsa, mediante o registro de operação de natureza inversa à da posição, na mesma quantidade de contratos, pelo valor de liquidação. Em outras palavras, na data de vencimento, a liquidação será financeira, onde os investidores comprados terão seus contratos vendidos e vice-versa.

Caso o investidor quiser, ele poderá liquidar sua posição antes do vencimento, realizando uma operação contrária à original, ou seja, se ele estiver comprado em 10 contratos e quiser liquidar sua posição, basta vender estes 10 contratos, onde será feita a apuração final dos ajustes diários.

Mini Índice Bovespa

As regras e funcionalidade do mini Índice do Ibovespa são as mesmas para o Índice Bovespa original, mudando apenas o valor por contrato: R$ 0,20. Além de possuir um valor menor, permitindo investidores de pequeno porte investir nesse ativo, os mini Índices possuem menor custo e possuem a mesma liquidez que os contratos originais, permitindo a negociação por parte do pequeno investidor.

O lote padrão do mini Índice é de 1 contrato, valendo apenas R$ 0,20 por contrato. As demais regras como ajuste diário, margem de garantia, liquidação e vencimento são iguais ao Índice Bovespa normal.

A nomenclatura da negociação do futuro de mini Bovespa será da seguinte forma:

1. Código de negociação do futuro de Dólar, isto é, “WIN”.

2. Letra correspondente ao mês de vencimento, conforme abaixo:

Mês Letra
Fevereiro G
Abril J
Junho M
Agosto Q
Outubro V
Dezembro Z

*Padrão Internacional

O vencimentos de mini Índice também serão sempre nos meses pares, isto é, Fevereiro, Abril, Junho, Agosto, Outubro e Dezembro.

3. Ano de vencimento.

Exemplo: Para negociar um mini contrato de Índice Bovespa com vencimento em Agosto de 2014, teremos o seguinte código:

WIN Q 14

Já os custos de negociação são reduzidos. As corretoras geralmente aplicam um desconto para os contratos de mini Índice, e chegam a oferecer 50% de descontos para operações de Day trade. Há também a taxa de liquidação e emolumentos, porém, os contratos de Mini Índice são isentos de taxa de registro e permanência.

Forward Points – FRP

Devido à demanda de alguns investidores por negócios com o preço do Ibovespa médio, foram autorizadas pela BM&F em 17/05/2002 as operações de Forward Points. Essa estratégia consiste na negociação do vencimento-base do contrato futuro de Ibovespa, por meio de uma cotação, expressa em número de pontos de índice, a ser acrescida ou diminuída da cotação do Ibovespa médio do dia, apurada no mercado a vista. Logo, ao final do pregão, todas as operações de forward points de Ibovespa serão transformadas em negócios no contrato futuro de Ibovespa, sendo na mesma quantidade e na mesma natureza da operação, para o vencimento-base. O vencimento-base será o primeiro vencimento em aberto do contrato futuro de Ibovespa, até o antepenúltimo dia útil anterior a seu vencimento. A partir de então, o vencimento-base será o segundo vencimento em aberto, mantendo-se nessa condição até o antepenúltimo dia útil anterior à data de vencimento, quando se repetirá o processo.

Rolagem de Índice Bovespa – IR1

As operações de rolagem de Índice Bovespa – IR1 – consistem na estratégia de negociar dois vencimentos de contrato futuro de Índice Bovespa simultaneamente. Essa operação foi autorizada pela BM&F a partir de 16/06/2008, atendendo à demanda do mercado.

As regras são iguais para o contrato original de Futuro de Índice Bovespa. Entretanto, as negociações de IR1, ao invés de gerar posições em um novo contrato, serão transformadas automaticamente em duas operações: a primeira será no contrato futuro de Ibovespa, no primeiro vencimento (ponta curta) de natureza inversa, e a segunda será no vencimento maior (ponta longa), de natureza idêntica ao IR1. Dessa maneira, a IR1 não terá posição em aberto ao final do dia, sendo os negócios distribuídos nos respectivos vencimentos de contrato futuro de Ibovespa.


3. Rentabilidade e riscos

A rentabilidade e o risco de se investir no contrato futuro de Ibovespa estão relacionados com a variação do próprio Índice Bovespa. O principal risco nessa operação é o risco de mercado, isto é, o risco da oscilação dos papéis, e, consequentemente, do Índice Bovespa. As operações de Ibovespa Futuro são consideradas de alto risco, visto o tamanho das oscilações diárias desse Índice.

Já a rentabilidade também vai depender dessas oscilações. Se o investidor acertar o rumo do Ibovespa, seu lucro poderá ser alto. Se errar a direção, poderá amargar prejuízos altos também. Logo, não é possível determinar a rentabilidade do Ibovespa Futuro, dependendo sempre do momento de mercado, da economia e da Bolsa brasileira.

Os contratos futuros de Índice Bovespa são amplamente usados para especulação, onde o investidor poderá ter altos lucros em pouco tempo, e também são largamente utilizados como hedge, isto é, para proteção da variação da carteira de alguns fundos de investimentos e também minimizando o risco sistêmico de algumas carteiras.


4. Tributação

A tributação do contrato futuro de Índice Bovespa será a uma alíquota 15% sobre a soma algébrica dos ajustes diários (somente se for positiva) e apurada no encerramento da posição. Há também a alíquota de 0,005% de imposto de renda retido na fonte sobre a soma algébrica dos ajustes diários (se for positiva).

Para operações de day trade, a alíquota do imposto de renda é de 20%. Há também o imposto de renda na fonte para operações de day trade, a uma alíquota de 1%, se for positiva.

É permitido a dedução de todos os custos e despesas incorridos nas operações, como taxas de corretagem e taxas cobradas pela BMF&Bovespa. É permitido também a compensação de perdas incorridas com os ganhos líquidos auferidos no próprio mês ou nos meses subsequentes, sendo a compensação válida somente para operações da mesma espécie e modalidade operacional.

O recolhimento do Imposto é de responsabilidade do próprio investidor, exceto quando o imposto for direto na fonte e deverá ser apurado mensalmente e pago até o último dia útil do mês subsequente ao da apuração. A apuração é realizada ao longo da vigência do contrato e não mensalmente.


 5. Exemplo

1. Hedge contra a queda do Índice Bovespa

Vamos supor que um gestor de um determinado fundo de investimento possua uma carteira com diversas ações, tendo um patrimônio líquido no valor de R$ 500.000,00. O beta da carteira é 1,1, significando que sua carteira acompanha quase que diretamente a oscilação do Ibovespa. O gestor desse fundo não quer vender as ações, porém, em suas análises, o mercado aponta para que uma queda nos próximos dias. O que ele poderia fazer para não perder com a desvalorização de suas ações? A resposta, é claro, é fazer um hedge com contratos futuros do Índice Bovespa. Considere as informações a seguir:

Carteira do Fundo R$ 500.000,00
Ibovespa à vista 30.800,00
Índice Futuro 32.500,00
Tamanho do Contrato R$ 1,00
Beta Carteira 1,1

A primeira coisa que o gestor deverá fazer é calcular a quantidade de contrato que ele deverá vender para cobrir toda a Carteira do Fundo. Para isso, basta fazer a seguinte conta:

 PL do fundo / (índice à vista x tamanho do contrato) x Beta = quantidade de contratos

Logo:

R$ 500.000,00 / (30.800 x R$ 1,00) x 1,1 = 17 contratos

Ou seja, a quantidade de contrato que o gestor do fundo deverá vender são 17 contratos.

Depois, ele deverá vender esses 17 contratos ao preço do Índice Futuro, isto é, a 32.500 pontos.

No vencimento do contrato futuro negociado, o Ibovespa encerra com 31.720 pontos, isto é, em queda em relação ao preço vendido. O resultado da operação será o seguinte:

(Preço vendido – preço de encerramento) x valor do contrato x quantidade de contratos

(32.500 – 31.720) * R$ 1,00 * 17 = R$ 13.260,00

O ganho dessa operação foi de R$ 13.260,00. Entretanto, as ações da carteira desse fundo também se desvalorizaram. Se a desvalorização da carteira nesse período for de 2%, o patrimônio líquido da carteira será de R$ 490.000,00. Logo, como o ganho foi de R$ 13.260,00, o gestor se protegeu contra a queda do mercado, obtendo ainda um lucro na operação. Os valores podem variar de acordo com as oscilações dos papéis e do Índice, não indicando que sempre ele terá um lucro que compensa as perdas nesse tipo de operação.

 2. Especulação Mini Índice

Vamos supor que um investidor agressivo esteja confiante, e suas expectativas apontam para um mercado de alta. Ele então compra 10 contratos de mini Índice, conforme a seguir:

Preço do Índice Futuro 44.800,00
Tamanho do Contrato R$ 0,20
Quantidade Contrato 10
Ibovespa no Vencimento 47.000

Como o Índice Bovespa subiu, e no vencimento ficou acima do preço de compra dos contratos, esse investidor obteve um lucro. Vale ressaltar que os contratos futuros de Índice e mini Índice possuem ajustes diários. Por exemplo, o fluxo dos ajustes diários até o vencimento foram conforme a seguir:

Data Preço dia anterior Preço de Ajuste Tamanho do Contrato Quantidade Contrato Ajuste Diário
D+0 - 44.800,00 R$ 0,20 10 -
D+1 44.800,00 43.950,00 R$ 0,20 10 -1.700,00
D+2 43.950,00 43.523,00 R$ 0,20 10 -854,00
D+3 43.523,00 44.101,00 R$ 0,20 10 1.156,00
D+4 44.101,00 44.968,00 R$ 0,20 10 1.734,00
D+5 44.968,00 45.679,00 R$ 0,20 10 1.422,00
D+6 45.679,00 46.220,00 R$ 0,20 10 1.082,00
D+7 46.220,00 47.000,00 R$ 0,20 10 1.560,00
47.000,00
Total 4.400,00

No vencimento do Ibovespa, esse investidor obteve um lucro de R$ 4.400,00, conforme cálculo a seguir:

 (47.000 – 44.800) * R$ 0,20 * 10 = R$ 4.400,00

Se o Índice Bovespa tivesse caído abaixo de 44.800 pontos, o investidor teria um prejuízo, sendo a diferença multiplicada pela quantidade de contrato e pelo tamanho do contrato.

*Vale lembrar que os custos de transação e impostos foram desconsiderados nestes exemplos.


 6. Vantagens

  •  Uma das grandes vantagens do contrato futuro de Índice Bovespa é a possibilidade de se fazer Hedge e proteger-se contra as oscilações do mercado de ações, dando a flexibilidade e segurança aos indivíduo, empresas e Fundos para planejar melhor suas estratégias de investimentos;
  • Outra grande vantagem de se negociar Futuro do Ibovespa é possuir uma carteira diversificada de ações, diversificando o risco e possuindo teoricamente uma carteira com uma vasta quantidade de ações. Isso significa que o investidor não terá que comprar dezenas de ações individualmente, muitas vezes em lotes picados, encontrando liquidez reduzida em algumas ações, e pagando corretagem em cada transação.
  • Custos reduzidos;
  • Possibilidade de especulação na variação do Índice. Se o investidor achar que o Índice vai cair, ele poderá vender contratos futuro de Índice Bovespa. Se achar que o Índice vai subir, poderá comprar o Índice, tendo seu lucro ou prejuízo diariamente nos ajustes diários, conforme variação do Índice;
  • Alta liquidez.

7. Desvantagens

  • Ajustes diários;
  • Margem de garantia;
  • Imposto de renda;
  • Prazo de vencimento, logo, você não pode carregar a posição para sempre, tendo que rolar para o próximo vencimento caso queira continuar posicionado;
  • Investimento de alto risco.

Você também poderá gostar...