banner-meus-ynvestimentos

Cupom Cambial

cupom-cambial

1. O que é?

O contrato futuro de cupom cambial é a taxa de juro obtida a partir da diferença entre a taxa acumulada do depósito interbancário (DI) e a taxa de câmbio no período da operação (PTAX 800 de venda). A negociação do contrato futuro de cupom cambial iniciou-se em 1998 a fim de substituir o uso combinado dos contratos futuros de dólar e de depósito interbancário de 1 dia pelos agentes do mercado.

Também conhecido como DDI – código na BMF&Bovespa – o cupom cambial é principalmente utilizado por instituições do mercado financeiro, como bancos e empresas. Ele representa o diferencial da taxa de juro interna e a variação cambial, referindo-se ao mesmo período. Pode-se dizer então que o cupom cambial é uma taxa de juros em dólar, ou se preferir, é a remuneração em reais dos dólares investidos no Brasil, e quanto maior o cupom cambial, maior será a atratividade da entrada de recursos na economia. Caso houver um aumento na taxa de juro ou valorização cambial, a taxa do cupom cambial também aumentará.

Em outras palavras, o cupom cambial é um título cuja remuneração corresponde à variação cambial acrescida de uma taxa. Essa taxa é chamada de cupom cambial e é negociada na BMF&Bovespa. O cupom cambial é composto por dois componentes: a taxa DI e o dólar. Ao comprar o cupom cambial, o investidor terá lucro se a taxa acumulada do CDI for superior à taxa de crescimento da cotação do dólar, sendo ambas no mesmo período da operação.

Existem dois tipos de cupom cambial:

1. Cupom Cambial Sujo – DDI – é calculado com base na PTAX de um dia anterior, sendo contaminado pela variação cambial. A variação do dólar do dia útil anterior à data da operação é utilizado, porém a variação na data do vencimento do contrato não é utilizada.

2. Cupom Cambial Limpo – FRC – é retirado o efeito da variação cambial, isto é, é substituído a PTAX do dia anterior à operação pela taxa do dólar spot.


2. Características

O cupom cambial possui algumas características peculiares, conforme a seguir:

Nomenclatura

A nomenclatura da negociação do cupom cambial será da seguinte forma:

1. Código de negociação do cupom cambial, isto é, “DDI”.

2. Letra correspondente ao mês de vencimento, conforme abaixo:

Mês Letra
Janeiro F
Abril J
Julho N
Outubro V

*Padrão internacional

3. Ano de vencimento.

Exemplo: Para negociar o cupom cambial com vencimento em Abril de 2014, teremos o seguinte código:

DDI  J  14

* Para negociar o cupom cambial limpo, alterar o código DDI para FRC.

Preço Unitário (PU)

O preço unitário do cupom cambial é multiplicado por 100.000 pontos e é expressa em dólares dos EUA. Já a sua cotação é feita em taxa de juros, expressa em percentual ao ano, com base 360 dias corridos, com até 3 casas decimais.

No vencimento do contrato, o preço unitário valerá 100.000 pontos. Como cada ponto é igual a US$ 0,50, o PU no vencimento equivale a US$ 50.000,00. Logo, para saber o PU da operação, basta trazer os 100.000 pontos a valor presente, considerando a taxa do Cupom ao ano negociada, conforme fórmula a seguir:

PU = ____100.000____

             (i * n/360)+1

Sendo:

i = taxa do cupom ao ano negociada

n = número de dias corridos até o vencimento do contrato.

Vale lembrar que a taxa de cupom e o PU são inversamente proporcionais, isto é, se a taxa do cupom cambial aumentar, haverá uma queda no preço unitário. Portanto, uma compra de taxa gera uma posição vendida em PU e vice-versa.

É possível montar uma posição futura sintética em cupom cambial, fazendo as seguintes operações:

- Para se proteger de uma alta do dólar e queda na taxa de juros (queda do cupom), o investidor teria que comprar dólar futuro e vender DI futuro (vende taxa = ficar comprado em PU)

- Para se proteger de uma queda do dólar e alta da taxa de juros (alta do cupom), o investidor vende dólar futuro e compra DI futuro (compra taxa = ficar vendido em PU)

Vencimento

Os meses de vencimento correspondem aos quatro primeiros meses após o mês em que a operação foi realizada e, a partir daí, os meses que se caracterizarem como início de trimestre. O vencimento será no primeiro dia útil do mês de vencimento. Por exemplo, em fevereiro, poderão ser negociados contratos com vencimentos em março, abril, maio, junho, julho, outubro e janeiro do ano seguinte. Dessa forma, os vencimentos ficam iguais aos vencimentos dos contratos futuros de DI, incentivando o alongamento dos vencimentos do cupom cambial sem inviabilizar sua negociação para vencimentos curtos.

Day trade

É possível realizar day trade (compra e venda no mesmo dia da mesma quantidade de contrato para o mesmo vencimento) de cupom cambial. A liquidação financeira dessa operação será realizada no dia útil seguinte.

Ajuste diário

O ajuste diário nada mais é do que um mecanismo utilizado pela BMF&Bovespa para equalizar as contas dos investidores. Como os contratos futuros variam de preço todo dia, gerando assim um débito ou crédito, os investidores são atualizados diariamente sobre suas posições, ganhando ou perdendo conforme os preços oscilam, isto é, os investidores recebem seus lucros e pagam seus prejuízos diariamente. Esse mecanismo é utilizado como forma de proteção contra possíveis inadimplências por parte dos investidores.

No contrato de cupom cambial, existe esse ajuste diário. Ele terá que obedecer os seguintes critérios:

1. Inversão da natureza das posições:

Quando as operações de compra e venda forem contratadas originalmente em taxa, serão transformadas em preço unitário de venda e compra, respectivamente.

2. Apuração do ajuste diário:

Depois que as operações forem transformadas em PU, elas serão ajustadas com base no preço de ajuste do dia, determinado segundo regras estabelecidas pela própria Bolsa, sempre com movimentação financeira no dia útil subsequente.

Margem de garantia

A margem de garantia é um valor depositado em dinheiro ou títulos que servirá para cobrir uma possível inadimplência do investidor em alguma chamada de ajuste diário. Normalmente para se operar um futuro na bolsa, o investidor é obrigado a depositar margem de garantia para mitigar o risco de credito. Essa margem é estipulada pela Bolsa, de acordo com critérios de apuração de margem para os contratos futuros.

Os ativos aceitos como margem de garantia podem ser dinheiro, ouro, títulos públicos federais, títulos privados, cartas de fianças, ações e cotas de fundos fechados de investimento em ações.

Custos operacionais

Basicamente, há 2 tipos de custos operacionais ao negociar o cupom cambial. São eles:

Corretagem – Podendo variar para cada corretora. Entretanto, a grande maioria se utiliza da taxa operacional básica, estipulada pela própria Bovespa. Nesse caso, os custos serão de 4% para operações normais e 2% para day trade, sendo pela diferença entre o PU de ajuste (dia anterior) corrigido e o valor teórico do resgate.

Taxas da Bolsa – São cobradas taxas de emolumentos, taxas de registro e de permanência, calculador pela própria BM&F. Além disso, há a incidência do imposto sobre serviço – ISS sobre a operação.

Liquidação

Na data de vencimento, as posições em aberto, após o último ajuste, serão liquidadas financeiramente pela Bolsa, mediante o registro de operação de natureza inversa à da posição, na mesma quantidade de contratos, pela cotação de 100.000 pontos.

Contrato FRC

Para acabar com a distorção da variação cambial calculada no dia anterior ao da operação (cupom sujo), foi lançado em 31/01/2001 uma alternativa a essa operação, o chamado cupom limpo. O cupom cambial limpo é calculado sem a variação cambial do dia anterior ao da operação, isto é, ele utiliza o dólar spot do dia da operação.

O FRC – Forward Rate Agreement –  como é chamado esse contrato, permite que os investidores possam negociar o cupom cambial para qualquer vencimento entre o primeiro vencimento do contrato futuro de cupom cambial (DDI) e um vencimento posterior, possuindo um código próprio, valendo as mesmas regras para os outros contratos financeiros futuros.

Outra diferença desse tipo de contrato é que as operações FRC são transformadas em duas operações: a primeira para o primeiro vencimento em DDI, a chamada ponta curta. A segunda operação é sempre de natureza inversa, sendo o prazo idêntico ao vencimento negociado no FRC, a chamada ponta longa. Esse tipo de operação, no penúltimo dia de negociação, será gerada no segundo vencimento de DDI, mantendo-se o vencimento até o penúltimo dia de negociação, quando o processo então se repetirá.


3. Rentabilidade e Riscos

A rentabilidade e o risco de se investir no cupom cambial está relacionado com a variação da cotação do dólar, positiva ou negativa, e da variação da taxa de juros no Brasil. Quanto maior o risco da valorização do dólar, maior será o  cupom cambial. Por exemplo, se a taxa de juros no Brasil está em 15%, e o real se desvaloriza 5%, o cupom cambial fica em 9,5% (juros compostos). Quanto maior a valorização do Real, menor será o cupom cambial.

Como visto anteriormente, a rentabilidade e os riscos dessa operação vão depender dos juros internos e da variação do dólar. Logo, não podemos determinar com exatidão qual será o lucro. O que podemos fazer é nos basear nos fundamentos macroeconômicos e tentar prever qual a trajetória dos juros e do dólar.


4. Tributação

A tributação do cupom cambial segue a mesma regra da tributação para renda variável. Será tributado o imposto de renda a uma alíquota de 15% sobre a soma algébrica dos ajustes diários (somente se for positiva) e apurada no encerramento da posição. Há também a alíquota de 0,005% de imposto de renda retido na fonte sobre a soma algébrica dos ajustes diários (se for positiva). Se esse valor for igual ou inferior a R$ 1,00, fica dispensado a retenção desse imposto na fonte.

Para operações de day trade, a alíquota do imposto de renda é de 20%. Há também o imposto de renda na fonte para operações de day trade, a uma alíquota de 1%, se for positiva.

É permitido a dedução de todos os custos e despesas incorridos nas operações, como taxas de corretagem e taxas cobradas pela BMF&Bovespa. É permitido também a compensação de perdas incorridas com os ganhos líquidos auferidos no próprio mês ou nos meses subsequentes, sendo a compensação válida somente para operações da mesma espécie e modalidade operacional.

O recolhimento do imposto é de responsabilidade do próprio investidor, exceto quando o imposto for direto na fonte e deverá ser apurado mensalmente e pago até o último dia útil do mês subsequente ao da apuração, sob o código DARF 6015 para pessoas físicas e 3317 para pessoas jurídicas.


5. Exemplo

Vamos dar um exemplo prático da negociação do cupom cambial com liquidação no vencimento. Considere as informações a seguir:

Cupom
Taxa Cupom Cambial 4,50%
PU no Vencimento 100.000
Valor do PU US$ 0,50
Valor Investido US$ 100.000,00
Prazos
Data da negociação 18/04/2013
Data de Vencimento 01/06/2013
Prazo até o vencimento (dias úteis) 30
Prazo até o vencimento (dias corridos) 44
Dólar
Taxa de Câmbio na data do trade (PTAX) 2,6157
Taxa de Câmbio em 17/04 (D-1) 2,5971
Dólar em 31/05 2,6700
Variação Cambial entre 18/04 a 31/05 2,81%
DI
Taxa DI 8,50%

Um investidor quer proteger-se contra uma alta no dólar e queda na taxa de juros no Brasil. Para isso, ele deverá comprar o cupom cambial (ficar comprado em PU).  De acordo com as informações acima, podemos calcular o PU da operação que o investidor vai comprar:

 PU =100.000 / 4,5% * (44/360) +1 = 99.453,01

Para saber o referencial em dólares, basta multiplicar o PU por US$ 0,50. Temos então:

99.453,01 x 0,50 = US$ 49.726,50

Para saber a quantidade de contratos que o investidor comprou, basta dividir o valor investido pelo valor referencial em dólares:

US$ 100.000,00 / 49.726,50 = 2 contratos

Podemos então calcular o PU no vencimento:

PU = 99.453,01 x ((1 + 0,085)30/252) / (1 + 0,28070)  =    97.681,67

Para achar o valor do PU em dólares (lucro da operação), basta subtrair 100 mil (PU no vencimento) pelo PU acumulado do investidor no vencimento e multiplicar pelo número de contratos e pelo valor do contrato em dólar, isto é, US$ 0,50:

(100.000 – 97.681,67) x 0,50 x 2 = US$ 2.331,08 (lucro na operação)


6. Vantagens

  • Possibilidade de rendimentos altos;
  • É possível fazer estratégias de investimentos, principalmente hedge (proteção), se protegendo contra a variação do dólar e da taxa de juros no Brasil.

7. Desvantagens

  • Ajustes diários;
  • Margem de garantia;
  • Imposto de Renda;
  • Investimento de alto risco.

Você também poderá gostar...